//Facebook----------------------------------------------------------------

quinta-feira, abril 19, 2012

O que é trabalhar com jogos?

      Sinceramente, essa é uma pergunta que eu espero poder responder muito em breve. Ainda (e sempre) estudante da área, não tive a experiência de realmente trabalhar em um projeto de jogo que chegasse a um produto final. Alguns joguinhos? Sim. Trabalhos de faculdade. Assim como todos que querem trabalhar com jogos, já criei várias histórias, umas pequenas, outras grandes. Algumas já nem lembro mais. Outras tenho tudo anotado, e assim que puder estarei iniciando.
      Ainda existem muitos projetos de jogos. Várias idéias. Assim como todo mundo da área (e as vezes fora dela também).
   

      Até pouco tempo atrás, eu não pensava em trabalhar com jogos, e sim com cinema. Até um amigo me convencer, de tanto insistir. E, dentro desse meio, percebo que ainda posso fazer o que queria com o cinema: divertir as pessoas. É, jogos são pra isso: para divertir, ensinar, treinar, etc. Mas então por que as pessoas vêem como um produto? Algo que você produz como se realmente estivesse trabalhando? Já dizia um amigo meu que a palavra "trabalho" é muito forte pra quem ganha a vida com o que gosta. Sendo assim, por que tornar o trabalho com jogos algo torturante?

      Eu comentei que espero responder em breve, pois já estarei terminando minha faculdade, e darei inicio, junto com Tairony e quem mais estiver afim, aos encalhados projetos. Mas por enquanto, eu registro aqui a minha visão do que será trabalhar com jogos.
      Para mim, será algo divertido. É o que eu escolhi fazer, tem que ser! Senão estará na hora de mudar. Existirão momentos cansativos? Sim! Existirão momentos em que você vai querer desistir? Sim! E algumas vezes você realmente vai precisar fazer isso. Afinal, pode ser que um jogo não esteja sustentando a empresa e seus funcionários. Mas os jogos são mais do que isso. É mais do que a renda final. Tem que ser. Senão vira um trabalho qualquer. Um jogo é também uma arte, e como toda a arte, deve ser tratada com carinho e com empenho, em cada detalhe. Detalhe que talvez só você perceba, mas fazem a diferença quando você o tira de lá.
      Trabalhar com jogos é algo diferente. Principalmente aqui no Brasil, mais ainda aqui onde moro. Eu consigo listar nos dedos(ou quase) quantas empresas/grupos de jogos que existem aqui. A gente vê vários profissionais de várias áreas por aí, mas quando te perguntam o que você faz, muita gente deve passar por essa situação:
- Você faz faculdade de que?
- De jogos.
- Jogos? *Uma extrema cara de dúvida*
- É, Jogos Digitais.
- Atah, legal.

      Eu aposto que se disesse "Medicina", ou "Direito", ou "Engenharia", muita gente aplaudiria. Eu também. Acho louvável a importância que cada profissional tem. Mas parece que os de jogos não tem importância. Já até me perguntaram se "esse troço dá dinheiro?". Eu respondi que sim. Dá sim. Mas não é qualquer um. É dificil, as vezes cansativo. E os recursos que temos aqui no Brasil são poucos. Alguns até consideram uma prática ilegal. Outros já querem dizer que influencia no comportamento de uma criança (não to afim de começar um discurso sobre isso, então vou pular). Entretanto, não é pelo retorno que eu estou fazendo jogos. É pelo fato de ser prazeroso. O que vier, é lucro. E eu tenho certeza que muitos acham esse pensamento absurdo. Assim como também tenho a certeza que alguns estarão concordando. Não que eu seja a razão, estou muito longe disso. Mas eu acho que nós deveríamos escolher algo porque gostamos, não por que dá retorno. Isto é consequencia de um trabalho bem feito. Um trabalho de quem gosta do que faz.

      Mas e aqui no Brasil?
      É, como já disse, aqui é bem complicado com isso né? Alguns preferem até vender pra fora. Mas eu ainda voto por aquela história de "a união faz a força". E ainda bem que tem gente lutando pelo futuro dos profissionais/admiradores de jogos aqui no país. E nós devemos lutar junto com eles. Penso que não deveríamos ficar nos separando em grupos fechados. Aqui as coisas já são dificeis, se as empresas/grupos ficarem se fechando, o que será do mercado de jogos? Será que acham que vão conseguir um monopólio aqui? No Brasil? Eu acho que não. Acho que temos que ajudarmos uns aos outros. Afinal, se cada ser humano que ajudou na evolução da sociedade mantesse o conhecimento só pra ele, não teríamos muitas coisas que temos hoje. Talvez nem poderia estar aqui digitando isso.


      As vezes, sem querer, eu me pego pensando no que outros falaram. Geralmente, nessas horas eu costumo pensar: "Esse povo não cresce, não? Ficam discutindo por bobeira, ficam querendo passar a perna nos outros feito crianças! É desse jeito que querem um mundo melhor? Reclamam da situação política do pais, mas na primeira oportunidade, passam por cima dos outros. E pior, ainda acham certo". Agora eu realmente mudei de lado. Hoje em dia eu penso que essas pessoas, eu, e você -que quer trabalhar com jogos- devemos voltar a ser criança. Por quê? A resposta é simples, mas essa eu vou deixar para você pensar um pouquinho... E, quando descobrir, vai ver que valeu a pena!


Até mais,
Fiquem com Deus.

1 comentários:

gillenew disse...

Bem bacana mesmo, em breve estaremos fazendo a diferença em peso porção da economia nacional, o Brasil que se cuide!

Postar um comentário